NOTÍCIAS

21/03/2018

Alckmin promete votar reforma previdenciária em primeiro ano de mandato



GUSTAVO URIBE BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O pré-candidato do PSDB à sucessão presidencial, Geraldo Alckmin, prometeu nesta terça-feira (20) que enviará no primeiro ano de mandato uma proposta de reforma previdenciária ao Congresso Nacional caso seja eleito. Em entrevista à imprensa, após ser oficializado como nome do partido ao Palácio do Planalto, ele defendeu que mudanças estruturais devem ser feitas no início do novo governo, quando o presidente conta com maior legitimidade. 
 
"Eu tenho convicção de que reforma tem de ser feita no primeiro ano de mandato. No regime presidencialista, quem for eleito, terá mais de 60 milhões de votos. A legitimidade é muito grande", disse. 
 
Ele criticou a diferença dos valores pagos a trabalhadores do regime privado e do regime público, mas não respondeu se apresentará um projeto diferente do discutido pelo Congresso Nacional. A equiparação das inciativas privada e pública é um dos pilares da reforma apresentada pelo presidente Michel Temer, que desistiu de votá-la após não ter conseguido apoio suficiente para aprová-la. 
 
"Não podemos achar que é correto ter um trabalhador com um teto de R$ 5 mil, média de R$ 1.191 para viver, e o setor público com salários altíssimo pagos pelos de menor renda", disse. 
 
Em conversas reservadas, Temer acusa Alckmin de não ter se empenhado suficientemente junto à bancada tucana para votar a iniciativa, considerada impopular. FGTS Nesta terça-feira (20), a executiva nacional do partido oficializou o governador como o nome do partido para a disputa presidencial. Com a desistência do prefeito de Manaus, Arthur Vírgilio, de participar das prévias do partido, Alckmin acabou como o único inscrito no processo de escolha do candidato tucano. 
 
Em rápido discurso, ele fez uma crítica à política econômica de Temer. Segundo ele, não é natural que o déficit primário do país tenha chegado a R$ 120 bilhões em 2017.
 
"Nós temos um problema ainda não resolvido, não é natural ter um déficit primário de R$ 120 bilhões. Isso é uma questão não resolvida e que precisa ser resolvida rapidamente", disse. Ele afirmou ainda que estuda proposta de alteração do rendimento do FGTS. Segundo ele, a ideia é que os recursos passem a ser corrigidos pela inflação somada à TLP (Taxa de Longo Prazo). Hoje, o FGTS é valorizado por uma taxa de 3% somada ao TR (Taxa Referencial). 
 
"Nós defendemos que ela não fique mais dessa forma e que sempre o rendimento seja acima da inflação somado ao ganho do período", disse.
 
VOLTAR